• Sexta-feira, 23 de Abril de 2021
  1. Home
  2. Imprensa livre
  3. MPF apresenta três denúncias no âmbito da Operação Hemorragia (segunda fase da Operação Alcatraz)

Imprensa livre

MPF apresenta três denúncias no âmbito da Operação Hemorragia (segunda fase da Operação Alcatraz)

Organização criminosa obteve ilicitamente R$ 21.822.338,99, por meio de fraudes em licitação e superfaturamento em contratos

A força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina que coordena as investigações relacionadas à Operação Alcatraz ajuizou mais três denúncias no começo da noite desta quarta-feira (3), envolvendo 15 pessoas, pelos crimes de peculato, fraudes em contratos e lavagem de dinheiro. Além de pedir a imposição de multa penal a todos os que forem condenados, o MPF solicita ainda à Justiça Federal que os denunciados devolvam atualizados monetariamente os R$ 21.822.338,99 obtidos por meio das fraudes na licitação e subsequente contrato e seus aditivos.

"Todos em conluio e com unidade de desígnios, frustraram e fraudaram, mediante ajustes e combinações, nas fases interna e externa, o caráter competitivo do Pregão Presencial nº 969/2009 da Secretaria de Estado da Saúde (SES), com o intuito de obter, para si e para os demais envolvidos no esquema criminoso, as vantagens decorrentes da adjudicação do objeto daquela licitação", diz a denúncia do MPF.

O pregão presencial fraudado, deflagrado pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, tinha como objeto a contratação de "empresa especializada para implantação de uma solução integrada de Sistema Informatizado para a Assistência à Saúde e Gestão de Desempenho, incluindo: a) consultoria, customização e manutenção adaptativa e evolutiva de sistemas; b) suporte técnico e operação do sistema; c) licenciamento de uso de software; integração com sistemas legados, modelagem de processos, configuração e treinamento".

Entre as 15 pessoas denunciadas da organização criminosa, estão dois ex-secretários de Estado de Santa Catarina, empresários, operador financeiro de agente político e familiares beneficiários do esquema. Parcela significativa dos valores desviados foram movimentados para empresas de fachada e empresa de tecnologia, para ocultar os pagamentos indevidos e distanciar os reais beneficiários dos valores.

O MPF requereu ainda à Justiça, na denúncia, condenação no valor de R$ 74.831.721,38 para reparação dos danos causados à União e ao Estado de Santa Catarina, bem como pela prática reiterada de lavagem de dinheiro.

Fonte: Assessoria de Comunicação - MPF/SC

Aulas presenciais da rede municipal do extremo sul retornam dia 16 de março Próximo

Aulas presenciais da rede municipal do extremo sul retornam dia 16 de março

Araranguá: Vacinação para idosos acima de 80 anos Anterior

Araranguá: Vacinação para idosos acima de 80 anos

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.