• Segunda-feira, 22 de Julho de 2024
  1. Home
  2. Geral
  3. Nunca foi só futebol...

Geral

Nunca foi só futebol...

“Olhos abertos, boca fechada e ouvidos atentos”. Esta era a filosofia de trabalho implantada e desenvolvida enquanto repórter, redator e jornalista. Entre 1984 e 2000 tive oportunidade de conhecer praticamente todas as regiões do Rio Grande do Sul, graças aos campeonatos de futebol e futebol de salão, hoje futsal. Em cada jornada esportiva – e foram tantas, que perdi as contas – conheci diferentes realidades, cultivei amizades e procurei aperfeiçoar-me profissionalmente.

Quisera o destino que, em Canela/RS, minha cidade natal, crescesse ao lado da cancha de esportes da Comunidade Evangélica Luterana do Brasil (IECLEB)  e a aproximadamente 100 metros do  Estádio Dr. Pedro Sander, casa do Esporte Clube Serrano, uma dos mais tradicionais. Para completar fiz o primário na Escola Maria Imaculada (Marista), onde o esporte era incentivado. Neste educandário, em 1979 participei, como estudante, da inauguração do Ginásio Maristão. Lembro até do versinho que declamei: “No meu ninho abençoado, ninho de paz e amor, o papai é um anjo e a mamãe uma flor...”  Fiz isto e acenei um lenço branco. Minha professora, na época era a inesquecível Leda Maria Martinotto, esposa do professor Ivo e mãe do então colega Alexandre, goleiro do nosso time de futsal.

Na verdade, ser cronista esportivo do EC. Serrano para os jornais Nova Época, Folha de Canela e Rádio Clube de Canela me proporcionaram ampliar horizontes.

Neste período tive a supervisão e orientação do saudoso repórter, Gilberto Ignácio da Silva (1936-1994). Ele cobrava observação dos detalhes. Lembro como se fosse hoje as viagens de ônibus, as entrevistas gravadas  e as redações, que eram feitas em casa, enquanto a mãe, Lacy Franzen da Silva (1937-2012) escolhia os grãos de feijão para o almoço de segunda-feira. Vivi o tempo romântico do futebol, primeiramente fazendo escola nos campeonatos amadores, depois conhecendo a realidade em nível profissional.

Na foto, que guardo com zelo, entrevisto o então supervisor de futebol do Sport Club Internacional, Carlinhos Duran (1937-2012), uma referência no setor. A imagem é de 1990, quando o Colorado realizava pré-temporada em Canela. Na ocasião, o treinador do Inter era ninguém mais, ninguém menos, que o finado Valdir Ataualpa Ramirez Espinosa (1947-2020). Ele durou apenas dois meses no cargo, mas apesar da e da identificação com o Grêmio (onde conquistou a Copa Toyota em 1983, equivalente ao Mundial de Clubes venceu um Gre-Nal comandando o time vermelho.

PM prende dois jovens por tráfico de drogas em Araranguá Próximo

PM prende dois jovens por tráfico de drogas em Araranguá

UNESC apresenta quarta etapa do Plano de Desenvolvimento Socioeconômico de Ermo Anterior

UNESC apresenta quarta etapa do Plano de Desenvolvimento Socioeconômico de Ermo

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.