• Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020
  1. Home
  2. Imprensa livre
  3. O novo ano na política de Criciúma

Imprensa livre

O novo ano na política de Criciúma

Oposição se articula num cenário de incertezas

O ano de 2020, que inicia, promete ser de fortes emoções e muitas incertezas na política. Os eleitores irão às urnas em 4 de outubro para escolher prefeitos e vereadores. É a primeira eleição após o fenômeno das urnas em 2018, quando políticos tradicionais foram “derrubados” por uma onda de mudança que encontrou amparo na então sigla do presidente Jair Bolsonaro, o PSL. De lá para cá os filhos da dita “nova política” já tiveram tempo de mostrar serviço. Alguns revelando-se pior do que havia. O próprio partido do presidente sucumbiu às tentações a ponto de Bolsonaro sair e anunciar que está criando um novo partido. Nem todos da “onda” irão com ele e outros sequer serão aceitos. A peneirada já vem sob suspeita do eleitor.
Bolsonaro segue sendo o maestro dos novos tempos. Político hábil na condução da opinião pública já decidiu imunizar-se deixando para que o seu partido só seja constituído a tempo das próximas eleições, não neste ano. Por ora seus seguidores terão que usar uma sigla de “aluguel”, pois a legislação eleitoral brasileira exige filiação partidária para disputar o pleito.
O deputado Daniel Freitas (PSL), aliado e seguidor de Bolsonaro, deve alojar “os seus” no PL, sigla que está sob a batuta do senador Jorginho Mello. A gentileza de Melo aguarda reciprocidade às eleições de governador em 2022. Há de se considerar que Freitas articula em Criciúma uma aliança que ofereça oposição ao prefeito Clésio Salvaro. Eis razão de curiosidade sobre para onde irão os aliados do deputado estadual Jessé Lopes (PSL), cujo pai é hoje da equipe de confiança do prefeito Clésio Salvaro. A divisão do federal e do estadual não se restringe a esta cena mais aparente.
Nem Freitas, nem Lopes figuram como pré-candidatos a prefeito, mas o primeiro tem movimentos nítidos de composição de chapa. O segundo faz um voo solo ainda estranho quanto à interpretação do lógico na política. Me parece que o faz apoiado na ideia de que o incerto é o certo às próximas eleições. Acho pouco provável.
Por fora correm outros nomes como Jorge Boeira (PP) e Rodrigo Minotto (PDT), ambos aguardando os fatos. Pelos fatos de hoje são improváveis candidatos. Boeira porque não tem sequer o seu partido. Minotto porque usa a vitrine para se manter-se visível e dizer-se um soldado a serviço do governador Carlos Moisés, cuja intenção de criar oposição a Clésio Salvaro é pública.
Salvaro, tido na cena atual imbatível, anda preocupado porque o jogo da política, que ele sabe jogar bem, se mostra com ameaças do incerto. O prefeito que é candidato à reeleição deseja conhecer logo o seu adversário. Enquanto isso não acontecer o pior dos adversários: a incerteza sobre o que terá pela frente. Ele treina como um técnico treina um time sem “sparing”. Fica um treino sem reação, sem graça.
Pelo visto, em Criciúma, está mais fácil acertar na Mega da Virada do que um palpite sobre o cenário eleitoral.

E o 1° Réveillon a Beira Mar na praia dos Molhes foi um grande sucesso Anterior

E o 1° Réveillon a Beira Mar na praia dos Molhes foi um grande sucesso

Prefeitura registra Boletim de Ocorrência e denuncia homem que jogou entulho e lixo em área central Próximo

Prefeitura registra Boletim de Ocorrência e denuncia homem que jogou entulho e lixo em área central

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.