• Sábado, 20 de Julho de 2024
  1. Home
  2. Geral
  3. Quais os impactos do calor no inverno para o Agronegócio?

Geral

Quais os impactos do calor no inverno para o Agronegócio?

Sul do país é atingido por fenômeno El Niño, que dificulta a entrada de ar frio na região

Um inverno atipicamente mais quente que o normal. É o que tem acontecido nos últimos dias no Sul do Brasil. O responsável pelas altas temperaturas fora de época é um fenômeno conhecido como El Niño, que causa mais umidade e dificulta a entrada de ar frio sobre o interior do Brasil.

Com as temperaturas acima da média, o agronegócio sofre impactos, que podem ser negativos para uns e positivos para outros. “Quem cultiva arroz, por exemplo, vai ter muitos dias de tempo bom para trabalhar com a terra e preparar o plantio, que acontece no mês de setembro. Pelo visto, teremos um bom ano para a safra de arroz”, esclareceu Márcio Sônego, climatologista da Epagri.

As temperaturas mais altas também beneficiam a apicultura. “As abelhas se recuperam bem com este calor”, disse. Os produtores de fumo também são beneficiados com condição. “Para o fumo, quando mais quente melhor”, explicou.

Nem todos se beneficiam...

Há também os que tem prejuízos com o calor fora da época. Um exemplo, citado pelo climatologista, é a pastagem de inverno. “As pastagens de azevém e aveia necessitam de um pouco mais de frio para crescer. Talvez, sejam os únicos que sofram com este calor fora de época”, revelou.

Atenção às bananeiras

Com temperaturas mais altas, os plantadores de banana precisam ter atenção redobrado. Isso porque, o calor pode causar o chamado de “Mal de Sigatoka”. “É um fungo que seca as folhas da bananeira. E ele (o fungo) gosta de temperaturas mais altas, então talvez incomode um pouco mais neste ano que está mais quente que o normal”, esclareceu.

Cuidado com as pragas!

O calor também é o clima favorável às pragas como cupins. “A temperatura favorece até mesmo o aparecimento de mosquitos e baratas. Então, é preciso ter um maior controle de pragas tanto caseiras quanto na lavoura. Esses bichos tem sangue frio, então se proliferam mais no calor. Se esquenta eles se reproduzem mais”, revelou.

Calor X tainhas

A pesca da tainha está mais difícil neste ano justamente por conta das temperaturas altas demais para a época. “Com o tempo mais quente por conta do El Niño, os pescadores de tainha foram prejudicados. O Oceano Atlântico está mais quente, o que é bom para surfistas e banhistas, mas para o pessoal da pesca isso não é bom. E, pela previsão que temos, o nosso Oceano, no litoral sul do estado, com temperaturas acima da média em um ou dois graus”, justificou.

Texto: Clara Floriano

Foto: jcomp - www.freepik.com

 

Livre-se das amarras!! Próximo

Livre-se das amarras!!

Marbon supera expectativas e arrasa no 5º Encontro das Debutantes Anterior

Marbon supera expectativas e arrasa no 5º Encontro das Debutantes

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.