• Sexta-feira, 01 de Julho de 2022
  1. Home
  2. Política
  3. Gean Loureiro estará hoje em Sombrio

Política

Gean Loureiro estará hoje em Sombrio

Pré-candidato ao Governo do Estado pelo União Brasil, ex-prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, participará hoje à noite, em Sombrio, de um encontro regional de seu partido. O evento acontecerá no Sombrio Tênis Clube, a partir das 19h30min. Em princípio, Gean está fechado com o PSD, para a disputa majoritária. Os pessedistas tem a sua disposição as vagas de candidato a vice-governador e de Senador da República, que já está reservada ao ex-governador Raimundo Colombo (PSD). Há, ainda, negociações em andamento com o Progressistas, para que o partido se encaixe como vice de Gean Loureiro, tese que enfrenta resistências dentro do PSD. Em nossa região o União Brasil não deverá ter candidato a deputado estadual, nem a federal. O partido, em nível regional, deverá fechar com a candidatura do ex-prefeito de Criciúma, Márcio Búrigo (União), à estadual, e, provavelmente, com alguma candidatura a federal também da região carbonífera. Ricardo Ghellere, advogado de Araranguá que era pré-candidato a estadual pelo União, se retirou do processo, objetivando facilitar a vitória de Márcio, para quem trabalhará no pleito eleitoral deste ano.

Dário já é considerado carta fora do baralho

Senador Dário Berger (PSB) começou a ser fritado dentro da Frente Democrática, grupo político que reúne oito partidos de esquerda em Santa Catarina. O fato é que Dário tem uma visão em relação a esquerda que é totalmente diferente daquela que a esquerda tem dele. Na sua visão, o fato de ser senador da República, de ter deixado o MDB e migrado para o PSB com o propósito de concorrer ao Governo do Estado, e, principalmente, por estar mais afinado com a média do pensamento político catarinense, o credencia, naturalmente, a disputar o governo. A esquerda, por sua vez, acredita que Dário não é o melhor nome para esta empreitada por um simples motivo: ele não é de esquerda.

Paralelo a esta situação, a Frente Democrática deu até o dia 31 de maio para que Dário e Décio Lima (PT) se entendam quanto a quem será o candidato do grupo ao governo. Todo mundo já sabe que não haverá entendimento e que Décio deverá ser escolhido pelo grupo para disputar a governadoria logo adiante. Também já é sabido que Dário não irá querer disputar como candidato a vice de Décio, e que esta vaga será oferecida da Jorge Boeira (PDT). Dário, então, focará na disputa ao Senado, mas a esquerda, novamente, deverá derrotá-lo, indicando, provavelmente, Afrânio Boppré, que é filiado ao Psol, para disputar a vaga.

O fato é que Dário saiu do MDB, veio para o PSB, mas continua com seu modus operand político à moda PFL. O senador, por exemplo, não foi ao lançamento da pré-candidatura de Décio Lima ao Governo do Estado, ocorrida no último sábado em Florianópolis. Não demonstrou o tão solicitado companheirismo esquerdista. Com estas, e outras ações, passa a impressão de que se acha o único capacitado para o cargo de governo pela esquerda catarinense. Com isto, acaba se isolando.

A grande verdade é que Dário Berger deu um grande tiro no pé ao sair do MDB. Lá enfrentou o mesmo problema: queria ser escolhido como candidato natural do partido ao Governo do Estado. Não aconteceu no MDB e não acontecerá na Frente Democrática, por um motivo bastante simples: política, antes de qualquer coisa, sugere entrosamento, discussão interna, cessão, desprendimento, e muita, muita paciência. O senador está certo. Também acredito que ele traria um melhor resultado eleitoral a esquerda catarinense, na disputa pelo governo, do que trata Décio Lima. A lógica sugere isto. Todavia, lógica e política partidária são praticamente inimigas. 

MDB mantém lançamento de Antídio, mesmo sob protestos

Mesmo com 82 prefeitos emedebistas tendo assinado manifesto de apoio à candidatura à reeleição do governador Carlos Moisés da Silva (Rep), ex-prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli, que é o pré-candidato oficial do MDB ao Governo do Estado, manteve o lançamento de sua pré-campanha para o dia 11 de junho, em Curitibanos. A aposta de Lunelli é bastante simples. Ele acredita que a partir do início de julho, quando o Governo do Estado não poderá mais firmar convênios com as prefeituras por questões legais, os prefeitos do MDB começarão a voltar para o ninho do partido, se irmanando a sua campanha ao governo. Antídio também acredita que o governo estadual não conseguirá cumprir com todos os repasses prometidos aos prefeitos do MDB, o que aumentaria o contingente daqueles que se agregariam a sua campanha. O fato é que o próprio MDB já está ciente de que não conseguirá unidade partidária para 2022. Cenário parecido com o de 2018, que custou a exclusão de Mauro Mariane (MDB) do segundo turno da eleição estadual. Afora isto, MDB que está com Moisés precisa ficar atendo. Segundo turno em Santa Catarina será francamente bolsonarista.

Arvoré dá laranjas gigantes em chácara de Jaguaruna Próximo

Arvoré dá laranjas gigantes em chácara de Jaguaruna

Mega-Sena acumula em R$ 100 milhões; 11 apostas de Criciúma faturaram a quadra Anterior

Mega-Sena acumula em R$ 100 milhões; 11 apostas de Criciúma faturaram a quadra

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.