• Domingo, 14 de Abril de 2024
  1. Home
  2. Política
  3. Jorginho investe no MDB de olho em 2026

Política

Jorginho investe no MDB de olho em 2026

Mais do que ciente do movimento que o PSD está fazendo, para construir um bloco de oposição ao seu projeto de reeleição, governador Jorginho Mello (PL) tem trabalhado para não deixar o coro oposicionista crescer. Uma de suas principais iniciativas tem sido manter uma conversa para lá de amigável com o presidente da Assembleia Legislativa, Mauro de Nadal (MDB), assim como com o presidente estadual do MDB, o deputado federal Carlos Chiodini, e também com o deputado estadual Antídio Lunelli, que foi pré-candidato do MDB ao Governo do Estado nas eleições de 2022.

Jorginho sabe que a construção de qualquer bloco de oposição a sua gestão passa pelo MDB. Caso o PSD convença os emedebistas a embarcarem em uma nova tríplice aliança, que conte também com o PSDB e com outros partidos a reboque, a eleição pelo governo catarinense em 2026 poderia ficar bipolarizada no segundo turno, bem ao contrário da eleição de 2022, quando Jorginho navegou em águas tranquilas e emplacou 70% do votos na segunda etapa da eleição, contra os 30% conquistados pela candidatura de Décio Lima (PT).

Se o MDB aceitar ser vice de Jorginho, por exemplo, legendas como o Progressistas e o PSDB acabarão se agregando ao seu projeto de reeleição, pois dificilmente estes partidos irão querer apostar em uma composição kamikaze com o PSD. Os mais céticos podem duvidar de uma aliança entre MDB e Progressistas, em torno do projeto de Jorginho Mello, mas convém lembrar que as duas legendas já caminharam unidas nas duas gestões do ex-governador Raimundo Colombo (PSD). Além disto, também deram sustentação e ocuparam Secretarias de Estado na gestão do ex-governador Carlos Moisés da Silva (Rep). No próprio governo de Jorginho, MDB e Progressistas estão unidos, dando sustentação parlamentar a sua gestão na Assembleia Legislativa, e ocupando cargos de confiança no Governo do Estado. O que está faltando é oficializar a adesão ao projeto de reeleição do governador, o que fatalmente passará pelo resultado eleitoral das eleições municipais deste ano. Quanto mais forte o PL sair das urnas em 2024, e quanto mais fracos saírem MDB e Progressistas, maiores serão as chances dos dois últimos partidos apoiarem o primeiro em 2026.

Finais

Ex-presidente do Progressistas de Araranguá, José Hilson Sasso, deu sinais de que poderá colocar o seu nome a disposição do partido para voltar a presidir a legenda, em eleição para este fim, que acontecerá no próximo sábado, na sede da Câmara Municipal de Vereadores. Sasso ressalta que o atual presidente, Márcio Scarsanella, o Tubinho, que também é presidente da Câmara Municipal de Vereadores, tem todo o direito de postular um novo mandado como presidente do partido, mas ressalta que outros nomes podem se dispor a mesma empreitada, a exemplo do ex-prefeito Mariano Mazzuco Neto, do candidato a prefeito pela legenda em 2012, Dilnei Almeida, e, por fim, dele próprio. A intenção do Progressistas é evitar qualquer tipo de disputa na convenção, e, por conta disto, a cúpula da legenda tem conversado para chegar afinada, e com seu novo presidente já definido no máximo até sexta-feira, em uma eleição que se daria no sábado, de forma consensual.

Ameaça de expulsão da vereadora gaivotese Maria Nunes, a Maria da Saúde, do MDB, por ter declarado que apoiará o projeto de reeleição do prefeito Everaldo dos Santos, o Kekinha (PSDB), pode fazer ressurgir dentro do partido o Movimento Ulysses Guimarães. O Movimento foi criado em 2020 por vários lideres emedebistas, que não concordavam com o fato de o partido concorrer como vice do Progressistas naquela eleição. Como resultado, mais de 80% da base do MDB acabou votando em Kekinha, contrariando a determinação da cúpula do partido, que indicou voto na candidatura de Carlos Gabreira Gomes, o Carlinho (PP). Um dos líderes do Movimento de 2020, o ex-presidente emedebista Joaci Silva de Oliveira, já sentenciou que não aceitará decisões arbitrárias dentro de seu partido. De acordo com ele, Maria da Saúde é um patrimônio moral do partido, e “chega a ser um desrespeito cogitar cassação de seu mandato por infidelidade partidária”.

VII AgriMeleiro na agenda do Prefeito Eder Mattos na capital do estado Próximo

VII AgriMeleiro na agenda do Prefeito Eder Mattos na capital do estado

Emoção e recordações em Hercílio Luz marcam o início da programação da festa da padroeira de Araranguá Anterior

Emoção e recordações em Hercílio Luz marcam o início da programação da festa da padroeira de Araranguá

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.