• Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022
  1. Home
  2. Política
  3. Sul deverá ter três candidatos ao Governo

Política

Sul deverá ter três candidatos ao Governo

Pela primeira vez na história da política catarinense, o Sul do Estado deverá ter três candidatos ao governo. De forma natural, o governador Carlos Moisés da Silva (Rep) disputará a reeleição, conforme convenção realizada no último sábado. Com domicílio eleitoral em Tubarão, atualmente Carlos Moisés mora em Laguna, e vai concorrer a um novo mandato tendo Udo Döehler (MDB) como candidato a vice.

O segundo candidato sulista já homologado em convenção, realizada no domingo, é Alex Alano (PSTU). Filósofo e professor de carreira, da Rede Estadual de Ensino, Alex, que é de Criciúma, nunca disputou cargo político. A também professora Gabriela Santetti (PSTU) disputará o cargo de vice-governadora na chapa encabeçada por ele. O PSTU se identifica ideologicamente com a extrema esquerda e não fazia parte da Frente Democrática, grupo que congregava oito partidos esquerdistas no Estado, mas que já não conta mais com o PDT.

A terceira candidatura ao governo estadual deverá emanar do PDT, através do ex-deputado federal Jorge Boeira, de Araranguá. Ontem à noite a Frente Democrática oficializou o lançamento da candidatura de Décio Lima (PT) ao governo, como também a de Dário Berger (PSB) ao Senado. O PDT ainda mantinha esperanças de que a Frente iria cumprir acordo inicial e destinar ao partido a vaga de candidato a senador, o que acabou não acontecendo. Em princípio, no próximo dia 30, às 9h, na Assembleia Legislativa, o PDT deverá homologar em convenção o nome de Jorge Boeira como candidato a governador, assim como os nomes daqueles que concorrerão a vice e ao Senado da República. O presidente estadual do partido, Manoel Dias, gravou vídeo convidando toda a militância estadual para acompanhar a homologação dos candidatos majoritários, e também proporcionais.   

Além destes projetos majoritários ligados ao Sul do Estado, vale lembrar ainda que o empresário criciumense Ricardo Althof, do Partido Novo, irá concorrer como candidato a vice-governador de Odair Tramontin, também do Novo. Há também a possibilidade de que o Sul emplaque mais candidaturas majoritárias, já que nem todas as convenções foram realizadas ainda, e algumas já realizadas não homologaram todos os nomes majoritários.

Finais

A candidatura de Jorge Boeira (PDT) ao Governo do Estado dará um gás substancial ao vereador araranguaense Diego Pires (PDT), que disputará a Câmara Federal, e também ao deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT), de Forquilhinha, que postulará a reeleição. Ainda que o projeto de Boeira seja estadualizado, o embrião de sua candidatura estará no Sul do Estado, região, dentre todas, em que ele deverá receber a maior quantidade de votos proporcionais no pleito de Outubro.  A mobilização em torno do projeto de Boeira, especialmente no Extremo Sul e na região de Criciúma, poderá gerar muitos dividendos para Diego Pires e Rodrigo Minotto, desde que eles consigam colar suas imagens, de forma espelhada, ao projeto majoritário do PDT. Uma das vantagens do PDT no pleito estadual deste ano é não precisar ficar colado a figura do ex-presidente Lula da Silva (PT), com quem o grande eleitorado catarinense ainda tem sérias ressalvas. Os brizolistas trabalharão pela candidatura presidencial do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT).

Presidente estadual do MDB, Edinho Bez, se reuniu ontem com o ex-prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli (MDB), na tentativa de demovê-lo da intenção de impugnar a candidatura a vice-governador do ex-prefeito de Joinville, Udo Döehler (MDB), na chapa a ser encabeçada pelo governador Carlos Moisés da Silva (Rep). Este pedido de impugnação está no âmbito partidário, e não judicial. Por conta disto, na prática, caberia a Edinho decidir sobre o tema. A decisão, por óbvio, será em prol de Udo, o que o colocará Edinho em conflito com Lunelli. Por conta disto, o presidente emedebista quer resolver a situação na base da diplomacia. Em nível federal, a solicitação de intervenção no diretório estadual do MDB, feita por Antídio Lunelli, não prosperou. O presidente nacional do partido, Baleia Rossi, deu autonomia para que o MDB estadual decida seu futuro, e, por ora, este futuro está ligado ao governador Carlos Moisés. Para os interesses de Antídio, resta a via judicial.

‘Jardim de maconha’ é descoberto por policiais militares em SC Próximo

‘Jardim de maconha’ é descoberto por policiais militares em SC

Dez cidades de SC registram o preço médio do gás de cozinha abaixo de R$ 120 Anterior

Dez cidades de SC registram o preço médio do gás de cozinha abaixo de R$ 120

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.