• Quinta-feira, 29 de Outubro de 2020
  1. Home
  2. Imprensa livre
  3. Dólar nas alturas, o que você tem a ver com isso?

Imprensa livre

Dólar nas alturas, o que você tem a ver com isso?

São inúmeras as questões que geram o debate sobre as causas do aumento exponencial do preço do dólar no Brasil, hoje cotado pelo recorde histórico de R$ 4,75. Todas as referidas questões influenciadas por um lado diferente do jogo político, algumas para se eximir da culpa e outras para apontar culpados, por isso o foco do presente texto não é se aprofundar nas causas, que são variadas, mas sim nas consequências do aumento do preço do dólar.

A maioria do povo brasileiro, que sequer aspira em fazer uma viagem ao estrangeiro pela falta de condições que dispõe, ao ver a notícia do aumento do dólar se mantém anestesiado e indiferente, pensando que tal condição não afeta o cotidiano difícil da vida brasileira, porém, a triste verdade é que afeta, e muito.

É fato que o trabalhador brasileiro em sua maioria não compra dólar, mas come pão, sem saber que o Brasil não é autossuficiente em trigo e precisa importar a maioria de seus grãos para produzir o pão que chega na mesa do brasileiro, sendo óbvio que essa conta é paga em dólar, portanto se o dólar sobe, o preço do pão também sobe. O trabalhador brasileiro não compra dólar, mas toma remédio, sem saber que 85% da química fina utilizada na produção dos remédios comercializados no Brasil é importada, sendo óbvio que essa conta também é paga em dólar, portanto se o dólar sobe, o preço do remédio também sobe. O trabalhador brasileiro não compra dólar, mas usa transporte público, sem saber que o óleo diesel que abastece o seu ônibus é refinado e importado no exterior, por consequência, quando o dólar sobe, o preço da passagem do ônibus também sobe.

Esses são exemplos caricatos, mas é possível encontrar a dependência brasileira do exterior em qualquer passo da vida cotidiana do nosso povo, desde o celular que usa para seu trabalho até os insumos necessários ao plantio da agricultura brasileira, todos importados e sensíveis ao preço do dólar.

Portanto é preciso exigir dos nossos governantes que, para além de combater as causas do aumento do dólar, é também preciso combater a imensa dependência tecnológica que nosso país demanda do estrangeiro, uma vez que qualquer alteração em nossa taxa de câmbio escancara nossa fragilidade, fazendo com que nosso povo seja obrigado a ver o poder de compra de seu salário diminuir drasticamente, sem entender as causas e motivos.

Para fazer esse combate, a primeira decisão a se tomar é fazer a opção pela defesa da soberania nacional através de um projeto de desenvolvimento, que traga de volta a importância da indústria brasileira em desenvolver e aperfeiçoar novas tecnologias ao uso cotidiano, convergindo a força dos empresários e da academia brasileira ao mesmo projeto. O Brasil vem se desindustrializando a cada dia que passa, hoje apenas 12% do nosso PIB é oriundo do nosso poder industrial. Indústrias fecham a cada dia que passa no nosso território nacional, só no período de janeiro a maio de 2019, 2.325 fábricas fecharam no estado de São Paulo. Se continuarmos nesse ritmo, o Brasil se tornará um mero exportador de minério de ferro, soja e carne, enquanto necessita comprar de fora tudo que é essencial para a vida cotidiana, essa cada vez mais moderna e tecnológica.

Mais de 80 estudantes são beneficiados com Bolsas de Estudo em Araranguá Próximo

Mais de 80 estudantes são beneficiados com Bolsas de Estudo em Araranguá

Inauguração Auto Prime Vistoria Veicular Anterior

Inauguração Auto Prime Vistoria Veicular

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.