• Sexta-feira, 01 de Julho de 2022
  1. Home
  2. Saúde
  3. Bactéria multirresistente é identificada em bebês em UTI de hospital de SC

Saúde

Bactéria multirresistente é identificada em bebês em UTI de hospital de SC

Hospital São Francisco, de Concórdia, informou a situação em nota; provável causa foi a superlotação do setor de UTI Infantil/Neonatal.

Uma bactéria multirresistente foi identificada em quatro bebês internados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Infantil/Neonatal do Hospital São Francisco, de Concórdia, no Oeste catarinense. A informação foi divulgada em nota emitida pelo hospital nesta quinta-feira (19).

Conforme o comunicado, o hospital já informou aos órgãos competentes e definiu, nesta quarta-feira (18), ações emergenciais para controlar novos casos de colonização/infecção.

Conforme protocolos e rotinas estabelecidos no hospital, semanalmente todos os pacientes da UTI são monitorados com culturas de vigilância para monitoramento de possível colonização. “Esta rotina faz com que possamos identificar precocemente a ocorrência de microrganismos multirresistentes, a fim de tomar as medidas cabíveis”, informou a nota.

De acordo com a médica infectologista e responsável técnica pelo serviço de controle de infecção do Hospital São Francisco, Dra. Clarissa Guedes, a causa provável foi a superlotação do setor de UTI Infantil/Neonatal. “Infelizmente à longa data estamos excedendo a nossa capacidade de ocupação, o que aumenta consideravelmente o risco de infecções e contaminações cruzadas”.

O hospital ressaltou que, corriqueiramente, recebe pacientes de outras cidades da região de abrangência mesmo a UTI estando com a sua capacidade máxima de 12 leitos ocupada. O hospital chega a atender até 17 bebês simultaneamente.

“Por questões de princípios, ética e humanização não deixamos de receber e atender estes pacientes. O hospital abraça essas vidas, não nega leitos e, apesar de todo o trabalho de cuidado, de higienização das mãos, em função da proximidade dos leitos e da superlotação essas bactérias se transmitem de paciente a paciente em um ambiente extremamente limitado em função do espaço físico”, acrescentou a médica.

Fonte: ND Mais  

 

Em alta Próximo

Em alta

 Alunas denunciam professor de karatê por crime de estupro no Sul de SC Anterior

Alunas denunciam professor de karatê por crime de estupro no Sul de SC

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.